Viver em paz para morrer em paz! {resenha}

Olá leitores amados, faz tempo que não trago sugestão de leitura por aqui… Estou iniciando meu TCC na pós, e por isso minhas leituras ultimamente são só sobre marketing digital, e-commerce, redes sociais, comportamento do consumidor na era digital, enfim…  acho que não é do interesse da maioria de vocês, por isso não tenho falado sobre eles, rs.

Massssss hoje preciso falar da obra do Mário Sérgio Cortella, que eu comecei a ler nas férias e só consegui terminar há pouco tempo: “Viver em paz, para morrer em paz!” É claro que esse título choca e desperta interesse, não é? Ainda mais sendo escrito por quem é, Mário Sérgio Cortella, filosofo e palestrante renomado no Brasil todo, traz uma reflexão muito especial para todos nós nesse artigo, e eu convido vocês a saberem um pouquinho sobre a obra nesse post!

 Viver em paz para morrer em paz

Esse livro desperta em nós a importância para algumas coisas que não costumamos valorizar muito, como por exemplo, pensar no que estamos fazendo hoje, pra ter uma morte em paz. E para fazer essa provocação, o livro gira em torno dessa pergunta: “Se você não existisse, que falta faria?”

viver em paz para morrer em paz_blog da joci

Esse é um questionamento que deveríamos fazer para nós mesmos com mais frequência. Se morrêssemos hoje, que falta faríamos amanhã? Quais marcas deixaríamos nesse mundo? Você já pensou nisso? A obra viver em paz para morrer em paz, desperta essa provocação em nós, e também mostra alguns fatos que deveríamos dar mais importância nessa vida para termina-la em paz.

O texto do livro é bem reflexivo e a leitura é bem leve, parece que você está assistindo uma palestra do Cortella pelo tom de linguagem que ele adota (ainda não fui em uma presencial, mas já vi vários vídeos dele). O livro tem 176 páginas, e está dividido em 19 capítulos breves que falam de temas como: consumismo, a necessidade que as pessoas têm em se expor, a importância das conexões que fazemos em nossa vida, a ecologia, nostalgia, sexo e amor, a busca pelo sucesso…

Para exemplificar um pouco do que o livro nos apresenta, eu separei alguns trechos para compartilhar aqui no blog, quem sabe desperte o desejo em vocês de fazer essa leitura também:

“Assim, paz de espirito é aquilo que faz com que eu consiga orquestrar as minhas paixões de maneira que elas se convertam em energia positiva e controlável. Por esse ponto de vista, para ter paz de espirito, viver em paz é saber que está fazendo o que precisa fazer.”

Essa frase está inserida no capitulo que fala do raio da paixão e da construção do amor, no qual ele explora muito a diferença entre paixão e amor, e também sobre equilíbrio, ele enfatiza a importância de sabermos ter equilíbrio em todas as circunstâncias da nossa vida, e também de conhecermos os riscos das paixões, e os benefícios que o amor nos traz.

“As pessoas falam em amor à primeira vista. Não creio que isso exista […]. Acredito em paixão à primeira vista, pois é a paixão que solta faíscas, é a paixão que dá os disparos, é a paixão que dessossega e faz perder a razão.”

O autor também destaca durante o livro, a importância de termos razões para tudo que fazemos na vida.

“Viver em paz é viver com a clareza de estar fazendo o que precisa ser feito, ou seja, não apequenar a própria vida e nem a de outra pessoa, ou qualquer outra vida. Viver em paz é repartir amizade, lealdade, fraternidade, solidariedade, vitalidade”.

Cortella também destaca a diferença de viver em família para as classes mais populares da maneira em que a “burguesia” trata a família:

“Aliás, sem família a vida não existe, pois não há como existir em meio à miséria sem laços. Família não quer dizer apenas pai, mãe, filhos, avós, primos e tios. No caso é uma família ampliada, que engloba vizinhos, a mulher da casa da esquina que empresta açúcar[…]. “A burguesia, por sua vez, se dá o direito de nem saber o nome do cara que mora na porta do lado, pois pensa não ter nenhuma necessidade dele.”

Nas últimas páginas do livro, Cortella fala muito sobre felicidade, e deixa claro que ela não é um estado, mas sim uma coleção de pequenos momentos bem vividos. Ele até exemplifica com uma criança rasgando o papel de presente. Não existe nada tão espontâneo e alegre quanto aquele momento.

Esse capitulo fez eu refletir muito sobre a palavra felicidade. Você também percebe que muitas pessoas passam a vida toda em busca de serem felizes e talvez não percebem que a felicidade está no percurso e não na chegada?

Não podemos esperar a sexta-feira para sermos felizes, e nem aquela promoção no emprego, nem quitar todas as nossas dividas, muito menos em conquistar uma vida perfeita. O que nós precisamos, é aprender a curtir e viver de verdade os pequenos momentos de felicidade que cercam o nosso dia a dia.

“Isso é felicidade: sentir-se vivo. Há pessoas que se sentem felizes em acumular riquezas. Outras, ao zelar pela família. Outras ainda ao curtir seus livros e suas plantas.”

Pequenas conquistas que alcançamos no decorrer da nossa vida, também são exemplos claros de felicidade! Ter alguém que nos ame esperando por nós no final do dia, uma família pra encontrar no domingo, o cheiro de roupa nova e as boas lembranças que carregamos com nós. Lembranças boas são memórias de dias felizes, por isso, vamos colecionar mais lembranças gostosas na nossa vida!

Depois de nos fazer refletir muito sobre várias coisas, Cortella vai finalizando o livro mais ou menos assim…

“A verdade é eterna, não morre jamais. A verdade é a essência. A essência, por sua vez, imortal. E a essência humana é o desejo. Por isso, ele é minha verdade. E chegamos aqui a uma das questões mais difíceis para qualquer ser humano: “Qual é a sua verdade? Qual é a sua essência? No dia em que você se for, essas questões irão embora com você. O que permanecerá de você no mundo?

Deu para perceber o quão esse livro nos faz refletir? Saber quais são as marcas que deixaremos nessa vida, e o que estamos fazendo para deixar boas marcas, são alguns dos levantamentos que a leitura nos traz.

Se você gostou do post, sugiro fazer a leitura completa do livro, você fará reflexões bem agradáveis da sua vida, e talvez descubra algo sobre si, que nunca tinha percebido antes.

Até semana que vem. ♥

Compartilhe! ♥
Facebook
Instagram

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

CAPTCHA *

Facebook
Instagram