A imensidão dos Cânions Gaúchos Itaimbezinho e Fortaleza

Oi gente, hoje vou fugir um pouco do principal foco do blog, que é falar sobre a região do planalto norte catarinense, para falar de uma experiência que eu tive no ano passado em RS. Um lugar não tão conhecido e falado quanto Gramado, mas que vale MUITO a pena ser visitado. Conheça minha experiência nos Cânios Gaúchos:

~~~ ♥ ~~~

Abençoados pela natureza, e com uma beleza indescritível, os famosos cânions gaúchos sempre tiveram na minha listinha de desejos de lugares para conhecer no Sul. E olha, foi uma viagem magnífica, o tempo estava PERFEITO (o que é raridade por lá), valeu muito a pena!

Encantada do início ao fim da viagem, saí de lá com um desejo de “quero voltar”. Veja como foi a experiência nesse artigo:

Sabe aquelas viagens de última hora? Marcadas e planejadas para daqui a 15 dias? Foi assim, rs. E acho que foi por isso que foi tão inesquecível.

Um casal de amigos já estava com a viagem marcada, e então nos convidaram (eu e o love) para embarcar na aventura de explorar a beleza dos cânions, e como tínhamos muuuita vontade de conhecer, nem pensamos muito e aceitamos!

No total são 36 cânions que ocupam mais de 200 km entre Rio Grande do Sul e Santa Catarina, massss, como para conhecer todos esses cânions precisaríamos ficar por lá pelo menos uns 10 dias.. Optamos em conhecer os dois maiores e mais famosos pelo cenário fascinante: Itaimbezinho e Fortaleza.

Onde ficar em Cambará do Sul

Fomos em junho de 2016, pleno inverno, com risco grande de neblina contínua, porém com menor probabilidade do que no verão. Quer dizer.. Depois de muitas pesquisas e de ir até lá e questionar moradores da região, descobrimos que não existe melhor época para conhecer os cânions gaúchos, a questão é ter sorte mesmo, já que a imensa altitude causa instabilidades no tempo o dia todo.

Saímos na sexta-feira de manhã (de Itapema) e chegamos em Cambará do Sul por volta das 11h00.

Ficamos hospedados em uma pousada bem simples, a João de Barro, mas muito aconchegante e com um toque especial que nos trouxeram lembranças da “casa da vó”, sabe? Tudo em estilo rústico, a antiga casa nos acolheu com o que precisávamos.

Antes de continuar, deixe eu mostrar os registros que fomos fazendo na viagem. Mesmo antes de chegar na terra dos cânions, já ficamos fascinados pelo que vimos no caminho..

Voltando para a pousada… O café da manhã era servido anexo ao hall de entrada, onde também fica a lareira, que nos aqueceu nos dias gelados por lá.

O melhor de tudo, é que quando chegávamos para tomar café, a lareira já estava “estralando” e aquecendo nosso lugarzinho. No café era servido pão fatiado, frios, geleias e doce de leite caseiros, suco, iogurte, cafézinho, e um bolo sempre fresquinho! Hummmmm, só de lembrar já sinto água na boca desse bolo fofinho com o doce de leite caseiro por cima, delicioso!

Nós procuramos por um lugar simples onde pudéssemos tomar café da manhã e dormir. Mas, se você deseja um hotel fazenda, ou uma pousada mais requintada, tem várias opções por lá..

O que você precisa saber sobre os cânions gaúchos

Cambará do Sul é uma cidade minúscula de interior, e o acesso para chegar aos cânions é estrada de chão, e é beeem ruinzinha por sinal. No Cânion Itaimbezinho chegamos, com muitos buracos e pedras, mas dá pra ir com o carro próprio, agora no Fortaleza, não se arrisque! A estrada é horrível e você pode quebrar o seu carro e ter problemas na viagem. Nós optamos em pegar um táxi, e foi a melhor coisa que poderíamos ter feito. Foi R$100,00 ida e volta.

Não contrate guia: As trilhas são super tranquilas, e bem sinalizadas. Nós vimos alguns grupos com guias, e percebemos que era tudo muito corrido… Depois de quilômetros percorridos até chegar no alto dos cânions, eles mal esperavam os turistas fazer alguns registros, e já chamavam todos para retornar. Nem conseguiam apreciar a paisagem, não vale a pena…

Trilha Cânion Fortaleza
Trilha Cânion Itaimbezinho

Explorando os cânions

Cânion Itaimbezinho

Na sexta-feira a tarde fomos explorar o Cânion Itaimbezinho. Ele fica no Parque Nacional dos Aparados da Serra, a 18km do centro de Cambará. Considerado um dos maiores cânions do Brasil, o Itaimbezinho tem 5800 metros de extensão, e a sua largura varia de 200 a 600 metros.

Seus imensos paredões são cobertos por vegetação baixa, e as araucárias enfeitam os altos do cânion Itaimbezinho. Já o Rio Perdizes, forma a esbelta e maravilhosa Cascata Véu da Noiva, que cai de 700 m de altura entre os cânions, produzindo um cenário indescritível.

A vista lá de cima é realmente mágica. Como nós tínhamos reservado aquela tarde toda para o cânion Itaimbezinho, curtimos muito a paisagem, nos divertimos, e fotografamos tudo. Essa é a maior vantagem de ir sem guia, você faz tudo no seu tempo.

Levamos alguns lanches, e com aquele belíssimo cenário, ficamos por ali admirando. Até que, para nossa surpresa, a neblina começou a subir, e em questão de minutos tomou conta do cânion e o encobriu. Quando já estávamos de partida, fomos agraciados pela formação de um arco-íris, ali, em meio aos paredões rochosos.

No cânion Itaimbezinho, existem três opções de trilhas: Trilha do Vértice, que tem 1,5km de extensão e permite visualizar cachoeiras, a Trilha do Cotovelo, com 6km (ida e volta), ela percorre estradas antigas pelas bordas dos cânions e te leva até o mirante principal, de onde é possível visualizar a imensidão dos paredões e algumas cascatas. Foi essa que nós fizemos, é a mais completa.

Aí tem a Trilha do Rio do Boi, que tem acesso pela Praia Grande (SC), e só pode ser feita com um guia. A trilha é por dentro do cânion e passa pelo rio. Por isso ela é mais radical, dizem que leva cerca de sete horas para percorrê-la.

Para ter acesso ao Parque Nacional dos Aparados da Serra e visitar o Cânion Itaimbezinho, cada pessoa paga o ingresso no valor de R$8,00 e o estacionamento R$5,00.

Cânion Fortaleza

Para o Cânion Fortaleza, reservamos o sábado todo. E olha que achamos que seria pouco, quando saímos da pousada e nos deparamos com o tempo totalmente fechado e começando a pingar chuva.. Meio desanimados com o que vimos, partimos rumo ao passeio do dia. Fomos de táxi, ainda bem.. É um trajeto bem cansativo, são 23km, 14km são de estrada pavimentada e 9km de estrada de areia e muitas pedras, a estrada é bem precária mesmo.

A estrada até lá é seguida de mata fechada no início do trajeto, e próximo ao cânion, imensos campos tomam conta das paisagens sem fim. Dizem que por lá, é comum ver animais selvagens atravessando a rua, mas não vimos nada de mais..rs

Diferente do cânion Itaimbezinho, o Fortaleza é totalmente retirado e não tem estrutura nenhuma com estacionamento, banheiros, lanchonete… Por isso vá bem preparado!

O Fortaleza fica no Parque Nacional da Serra Geral, tem 7,5km de extensão e mais de 2 mil metros de largura. Com uma vista privilegiada e um cenário exuberante, o cânion Fortaleza já foi cenário de novelas globais. E não é por acaso, a vista lá de cima é simplesmente M A R A V I L H O S A.

Bom… chegando lá, começamos a subir a trilha, que demoraaa, não tanto por ser longa, mas ela é bem mais pesada que a do Itaimbezinho, e proporciona vários ângulos lindos que merecem registros… No início da trilha, o tempo estava bem fechado, mas mesmo assim o cenário já encantava.

Subimos, e ao chegar lá em cima, minutos depois, fomos surpreendidos com a abertura do tempo que nos deixou apreciar todos os detalhes do cânion, e fazer belas imagens com diversos tons que mesclavam entre a vegetação e o céu parcialmente coberto.

Em dias limpos em que o tempo colabora, é possível visualizar o litoral gaúcho e catarinense de um dos lados do cânion. E não é que nós fomos privilegiados? Olha que paisagem linda…

Pelas roupas que nós estávamos usando nem preciso dizer que a sensação térmica lá em cima estava geladíssima, né? Gente, o vento que tem lá no alto do cânion, é MUITO forte, muito mesmo, rs.

Para os passeios nos cânions, roupas confortáveis, tênis em dia, água, e toca no inverno. Senão..Suas orelhas vão congelar, juro..

No Fortaleza a entrada é gratuita e o Parque oferece três opções de trilhas: Trilha do Mirante, ela tem 3 km e proporciona visualizar 95% do cânion. Foi essa que nós fizemos. A subida até o topo é cansativa, mas as paisagens ao longo do caminho, não te deixam cansar, pelo contrário, te dão energia para chegar logo no alto e ver a deslumbrante vista lá de cima.

Trilha da Cachoeira do Tigre Preto, ela também tem 3 km, porém, permite que apenas 10% do cânion seja visualizado. Em contra partida, ela tem três grandiosas cachoeiras. A terceira, é a Trilha da Pedra do Segredo, nela você vai conhecer a famosa pedra do segredo, que é formada por um bloco monolítico de 5 m de altura e aproximadamente 30 toneladas equilibrada em uma pedra de 50 centímetros.

~~~♥~~~

Lá de cima, para qualquer lugar que você olhe, você verá a imensidão, e registrará a extraordinária paisagem que a natureza fez ali. É tudo tão lindo, grandioso e ao mesmo tempo misterioso e mágico, que você não se cansa de ficar admirando por horas e horas…

Do frio na barriga à tranquilidade que aquele monte proporciona, visitar os cânions gaúchos, é sem dúvidas, uma experiência única e valiosa.

Passeio extra

O passeio no Cânion Fortaleza levou uma manhã, e como tínhamos a tarde do sábado livre, fomos fazer um passeio a cavalo. Gente, nós não estávamos com muita expectativa, até porque, tudo o que queríamos, que era conhecer o Itaimbezinho e o Fortaleza com um tempo que deixasse aproveitarmos bem, já tínhamos conseguido..Mas não é que nos surpreendemos?

Em um sítio perto do centro de Cambará, o próprio dono da Pousada João de Barro conduziu nosso passeio que custou R$60,00 por pessoa. Mas as paisagens e o clima do passeio, foram tão especiais, que valeu cada segundo… Olha só alguns dos registros que fizemos por lá…

Onde comer em Cambará do Sul: Como já contei pra vocês no início do artigo, Cambará do Sul é uma cidade bem pequena de interior, e por isso não tem uma infinidade de opções, mas eu tenho três para indicar pra vocês.

A Taberna Restaurante: Pensa em um lugarzinho aconchegante e gostoso.. Fiquei apaixonada por esse restaurante, com uma decoração linda, comida saborosíssima e ótimo atendimento, o Taberna foi a nossa escolha para jantar na sexta-feira a noite. Fomos de camarão na moranga, e vinho colonial (típico em qualquer lugar da cidade). Mas lá eles também oferecem panquecas de diversos sabores, nós pegamos uma doce para sobremesa, estava divina e era gigaaante, rs.

Galpão Costaneira: Aí sim eu senti que estava no Rio Grande do Sul, tchê! rs. Com um estilo totalmente rústico, o restaurante serve chimarrão e cachaças de vários sabores na entrada.

Com música típica ao vivo (sanfoneiro), o local e a comida são bem simples, mas o almoço é bem saboroso. O buffet era servido em um imenso fogão a lenha, e o tempero delicioso de comida caseira do sul, foi o que marcou nosso almoço de sábado. Também tinha um buffet de sobremesas que está incluso no valor do almoço (R$33,00) com sagu de vinho e creme branco, frutas em calda, mousse de chocolate e mais algumas coisas…

Na saída do restaurante, eles tinham diversas lembranças para vender, e o que me chamou atenção, foi uma erva para chimarrão de menta e flores. Trouxe, provei e acabou rapidinho, todo mundo adorou lá em casa.. #ficaadica 🙂

O Casarão: Para encerrar nossa viagem, no sábado geladíssimo a noite, fomos conhecer o restaurante mais famoso da região. Com uma decoração gaúcha caprichada, e várias garrafas de vinho fazendo parte da decor, as comidas eram saborosas, e nós gostamos do lugar. Confesso que pela propaganda, esperava mais… O atendimento deixou a desejar, mas, é um bom lugar pra comer, nos servimos de massas no buffet, e eles traziam galeto e polenta na chapa à vontade na mesa.

Depois de passar muuuito frio naquela noite (o aquecedor não deu conta do recado), fomos surpreendidos na manhã de domingo, por floquinhos de neve para encerrar a viagem com chave de ouro. ♥ Ficamos tão empolgados com a neve caindo, que acabamos não registrando o momento, rs.

Saímos de lá no domingo de manhã e com algumas paradas no caminho (Praia de Torres, almoço, etc), chegamos em casa no final do dia. Foi beem cansativo, mas valeu muito a pena. Os passeios foram maravilhosos e a experiência de conhecer os cânios gaúchos foi incrível! Sem dúvidas voltaria para conhecer os outros cânions da região, e fazer as outras trilhas dos cânions Itaimbezinho e Fortaleza.

E aí, gostaram da experiência? Vale a pena conhecer, se forem pra lá, me contem o que acharam, onde ficaram/comeram, se aproveitaram as dicas.. Vou adorar saber!! Beijos e até a próxima. ♥

Compartilhe! ♥
Facebook
Instagram

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

CAPTCHA *

Facebook
Instagram